Há bastante tempo eu tenho sonhado com a Ásia. Ano passado estive aqui pela primeira vez e visitei Japão, China e Coréia do Sul e não tirei da cabeça que precisa conhecer muito mais. Aqui estamos nessa jornada de 40 dias por Tailândia, Camboja, Malásia e Myanmar.

Chegar ao sudeste asiático é uma odisseia que pode ter “apenas” uma escala fora do Brasil, seja nos EUA, África, Europa ou Oriente Médio. Ou você pode fazer uma coisa louca e parar em Bogotá, Madri e Dubai como eu fiz. Eu, como sempre, escolhi as passagens pelo preço. Além disso, devido à distância, pensei em uma forma de fazer paradas estratégicas que me permitissem descansar e adaptar ao fuso horário. Em dezembro de 2015 fiz uma viagem à China que começou comigo derrotado pelo fuso horário e queria que desta vez fosse um pouco melhor. Comprei uma passagem saindo do Rio para Madri com escala em Bogotá com a Avianca e o trecho restante com a Emirates.

Estive em Bogotá por um tempo muito curto já que somente saí do aeroporto por algumas horas. Era um domingo, dia que costuma ser inimigo dos viajantes que gostam de ver movimento nas ruas. Não vou falar muito sobre Bogotá porque em julho irei à Colômbia e então poderei ter informações melhores. Madri também não será tema de um post separado por não ter sido o foco da viagem. O que posso dizer é que Madri é uma cidade deliciosa. O bom de voltar a algum lugar é que a ansiedade costuma ser menor e acabamos por prestar atenção a detalhes que antes pareciam nem estar ali. Dubai, entretanto, eu acho que merece um post (coceira nos dedinhos).