Chiang Mai está em quase todo roteiro pela Tailândia. Embora ela seja uma cidade grande, ela tem um ar de cidade menor, onde é mais fácil de se localizar e as coisas andam mais devagar. Você pode pegar um voo de Bangkok que dura aproximadamente uma hora e é bem baratinho. Só é preciso cuidado na hora de planejar, porque o valor inicial que você acha em sites como o skyscanner.com será acrescido de taxas, inclusive para despachar malas. Dá pra ir de ônibus ou de trem também se você topar as 11 ou 12 horas de viagem, respectivamente. A vantagem dessas duas opções mais longas pode ser ir de noite e aproveitar melhor cada minuto nesse país incrível.

Lá tem templos bacanas, comida boa e mais em conta que em Bangkok, mas, em geral, as pessoas buscam mesmo são as excursões para locais próximos. Há lugares que cuidam de elefantes resgatados de circos ou de atividades estúpidas, como levar turistas para dar a volta no quarteirão no lombo desses lindos animais. Se você tem alguma consciência, procure no trip advisor por algum lugar que realmente está comprometido como o bem-estar dos elefantes e onde eles não são usados como veículos de carga. Leia os comentários e fuja do show de horror que deve ser montar em um elefante enquanto o guia o espeta para fazer o animal andar. Eu fui ao Happy Elephant (http://www.happyelephanthome.com/), onde não andamos nos animais e nem os vimos serem maltratados em momento algum. Fiz a reserva pelo site e paguei somente depois do passeio o preço de 1800 Bath por um passeio de meio dia. Há também uma opção do dia todo por 2400. Eles vieram nos buscar no hotel e rolou um estresse básico porque eles se confundiram na hora de me dizer a hora por email e vieram uma hora antes do combinado. Nós os aguardávamos às 8:30, mas eles vieram 7:30. Quando bateram na porta, por sorte, já estávamos quase prontos para sair.  O problema foi que não havíamos tomado café da manhã e eu, com fome, sou insuportável e nem mesmo uma viagem incrível pode me alegrar. Reuni tudo o que havia de bom em mim, sorri, expliquei o que havia acontecido e pedi para eles pararem numa loja de conveniência para eu comprar algo no caminho. Tudo deu certo!

Ao chegar no Happy Elephant, uma funcionária fofa nos explicou (o grupo tinha aproximadamente umas dez pessoas) como seria o dia e nos deram roupas de mahout (termo usado para designar os tratadores dos elefantes). Enchemos nossas bolsas com frutas e fomos, felizes da vida, conhecer os pacdermes. Você pode tocá-los, beijá-los e alimentá-los. Eles são lindos, inteligentes e extremamente fortes. É emocionante. Havia dois filhotes fofos e um pouco malcriados que queriam brincar subindo em cima do outro, mas o tratador tinha que interferir o tempo todo para o maior não machucar o pequenininho. Andamos com eles (não nas costas deles) e os levamos para tomar banho. Entrar na água e ajudar a dar banhos em criaturas tão maravilhosas é uma experiência que me deixou extasiado. Depois de tanto amor e diversão foi oferecido um almoço bem gostoso e voltamos ao hotel por volta de duas horas da tarde. Outro aspecto legal do passeio foi ter conhecido umas meninas americanas que viajavam juntas e também trabalham com educação. Tivemos tempo de trocar experiências sobre as dificuldades de trabalhar com crianças em situação de vulnerabilidade social e percebemos que há muita semelhança entre os nossos problemas e aqueles do lado de lá.

No dia do ano novo, nós ainda estávamos em Chiang Mai. Meu marido havia saído para fazer uma aula de culinária com a escola  Asia Scenic que será assunto do próximo post. A aula acabaria no início da noite e não sabíamos se iríamos fazer qualquer coisa especial. Acabamos indo para o portão leste da cidade onde aconteceria uma celebração na rua. Valeu a pena! No ano novo, as pessoas soltam lanternas que iluminam o céu enchendo-o de alegria e vibrações de paz. Algumas eram coloridas e tinham uma carinha desenhada, mas a maior parte eram brancas. Elas pareciam ser feitas de um papel bem fino e são acesas queimando um material inflamável enrolado que fica na base. Compramos uma e fizemos nosso pedido de ano novo celebrando o amor e o crescimento espiritual.

Outra experiência marcante foi a massagem tailandesa que fizemos na cidade. É bem fácil encontrar opções de massagem tradicional por todo o país, mas nós resolvemos fugir do lugar comum e apoiar uma boa causa escolhendo o Association Massage Ching Mai of Blind. Como o nome sugere, os massagistas são cegos. Eu havia lido avaliações na internet que diziam que a massagem era maravilhosa mas que um massagista do local era muito bruto. Obviamente, desejei que ele fizesse massagem em meu marido para eu poder rir da cara dele. Obviamente, ele fez massagem em mim. A cada dois minutos eu implorava para que ele usasse menos força mas ele tinha a memória muito curta. De toda forma, para minha surpresa, saí de lá sem lesões e até mesmo sem dores. Recomendo! Eu também tive vontade de fazer o fish spa, mas deixei para Bangkok e acabei passando mal no dia e perdi a chance. Você coloca seus pés num aquário e deixa os peixinhos limparem as perebas de dias andando como aquele único par de tênis que você trouxe para não pagar excesso de bagagem

Perto de Chiang Mai há duas atrações bastante populares entre turistas, o Tiger Kingdom e a visita a uma tribo das mulheres girafas. Li sobre as duas e não quis ir. Não gosto de atrações com animais selvagens, carnívoros e perigosos aparentemente domesticados que são usados para tirar fotos com turistas. Tem um lugar parecido em Buenos Aires. Tenho sérias dúvidas quanto aos métodos utilizados para mantê-los sob controle. Quanto a tribo das mulheres girafas, não fui porque para mim parece um zoológico humano. Eles montaram essa atração que simula a vida na tribo e lá você pode ver essas mulheres e entender um pouco mais sobre seu etilo de vida. Você verá que o pescoço não cresce. O que acontece é que os anéis empurram o ombro para baixo causando uma deformação anatômica que dá a elas uma aparência peculiar e obviamente muita dor.

Dicas

  • Os taxis de chiang mai são pick ups vermelhas adaptadas. Eles colocam paredes e teto de metal na parte de trás e fazem umas rotas mais fixas mas podem desviar para te levar onde você quer ir. Dê sinal e pergunte se eles estão indo para o seu destino e combine o preço.
  • Eu comi em um restaurante vegetariano delicioso que é uma pequenina instalação despretensiosa e divina. Ele é o Bamboo Bee. Só havia uma funcionária que cozinhava na nossa frente e cuidava de tudo mais. Ela mal falava inglês, mas o cardápio estava traduzido. Há muitos outros restaurantes de comida vegetariana entre os melhores da cidade segundo a lista do Trip Advisor.  Recomendo experimentar mesmo que você não tenha abolido a carne de sua vida.
  • Há um café delicioso na cidade chamado Fern Forest Cafe. Lá tem pratos tailandeses, cafés, chás, sucos, e doces divinos. Só de lembrar dá um desespero. Somente descobri esse lugar no último dia e fiquei muito triste. Para compensar, comi lá duas vezes em um intervalo de duas horas. ME JULGUEM.