Penang é uma enorme ilha que fica a cinco horas de ônibus de Kuala Lumpur, na região noroeste do país. Seu passado é rico e cheio de influências de outras culturas que formaram uma região cheia de charme e história. Nunca tinha ouvido falar nela e fui seguindo o planejamento do namorado de minha prima para a Malásia. Como a vida é irônica, ele teve piriri gangorra e acabou não curtindo muito. Já eu que nem teria colocado a Malásia no roteiro amei.

Penang tem prédios enormes e modernos e hotéis gigantes com vista para o mar. O melhor da cidade, entretanto, é o centro histórico, cheio de ruelas lindas, cafés, pequenos hotéis, museus, templos e mesquitas. Há também, em locais mais distantes, muitas outras atrações que valem a pena. O trânsito não ajuda e ficou difícil de visitar muita coisa. Aproveite a mistura de culturas nos museus, arquitetura e nas comidas!

Começamos visitando um templo budista no estilo de Burma como um aperitivo dos dias esplendorosos que estavam por vir em Myanmar. Ele se chama Dharmikarama Burmese Temple. Você pode subir três andares de elevador e ter uma vista linda do templo em frente. Lá tem também umas vasilhas que giram em círculo no meio de um laguinho para você tentar acertar moedinhas para ganhar boa sorte, saúde, bom casamento… É tipo Las Vegas, bom pra perder dinheiro. O templo logo em frente se chama Wat Chaiya Mangalaram e tem estilo tailandês. Lá tem uns dragões maravilhosos cobertos de pequenos pedaços de vidro e um enorme Buda deitado. No centro histórico fomos ao Museu Pinang Peranakan, que é uma casa antiga muito linda com móveis e decoração de época. Infelizmente, o templo chinês Khoo Kongsi estava fechado.

Em Penang tive duas experiências das que mais me marcaram em toda essa viagem pelo sudeste asiático. Uma delas foi visitar a mesquita Masjid Kapitan Keling. Fomos recebidos por um funcionário extremamente atencioso que nos mostrou o lugar e nos explicou muito sobre o Islamismo. No Brasil, não temos uma comunidade islâmica muito grande e acabamos ficando com poucas referências sobre essa religião. A verdade é que nunca fui tão bem recebido em um templo religioso. Na entrada eles tem vários folhetos informativos. Muitos têm o objetivo de combater o monte de bobagem que muitos pensam sobre o islamismo. Em tempos de tanto horror, é tristemente necessário que sejamos lembrados que a esmagadora maioria dos islâmicos não são terroristas. No final, ao se despedir, ele disse a mim e ao meu marido que esperava nos ver no paraíso. Recebi a alfinetada com um sorriso e parti.

O grand finale ficou por conta de um dos templos mais incríveis que já visitei. Demorou um pouco a chegar de ônibus, mas valeu cada minuto. O Kek Lok Si é um monastério localizado em uma montanha. A subida até a entrada é cercada por um bazar que vende, principalmente, roupas. O templo é grandioso, colorido e mágico. Cada parte me surpreendeu e trouxe calafrios. Me chamou atenção um conjunto de colunas douradas que eram formadas por pequenas imagens de Buda. Você pode subir com um elevador inclinado e ver uma imponente estátua de madeira no topo do templo. A energia é fenomenal.

Penang se tornou minha queridinha das lembranças dessa viagem inesquecível!

DICAS

  • Penang tem muita comida boa. Perca a noção nos cafés, restaurantes e comida de rua.
  • Lá tem praia. O conjunto da obra é bonito. As montanhas cobertas de vegetação exuberante ajudam a embelezar a praia que por si só não é tão bonita. Devo reconhecer, entretanto, que depois da Tailândia o conceito de praia bonita mudou drasticamente.
  • Se você estiver hospedado em Batu Ferringhi, meus pêsames. É longe de tudo. O prêmio de consolação é o Night Market. Lá tem uma barraquinha de uma sobremesa que parece um crepe. Ele pode ter vários recheios. O tradicional tem manteiga, milho e amendoim. É divino. Como não tem no Brasil, você pode comer dois (como eu fiz) e não aceitar que te julguem.
  • Os ônibus interurbanos da Malásia são um pesadelo. Usamos duas empresas que atrasaram muito e tinham ônibus sujos e sem banheiro. NÃO confie nos horários. A empresa Konsortium atrasou 40 minutos e a Billion duas horas e meia. Minha prima tinha um voo para pegar em Kuala Lumpur e foi pedir ao motorista para apressar porque ele resolveu parar por horas para o povo ir ao banheiro. Ele perguntou a ela se ela queria dirigir o ônibus. Gentileza! Um detalhe importante, depois de demorar horas para sair do terminal, ele parou para abastecer e depois voltou para a rodoviárias para pegar mais uma pessoa. Como assim?
  • O café de Penang é uma delícia. Experimente! Passamos numa lojinha que tinha vários tipos e compramos para levar para o Brasil.