Santorini é uma ilha grega que fica a 50 minutos de voo de Atenas (há boas opções de companhias de baixo custo, como a RyanAir) ou de 5 até 9 horas de ferry, dependendo da velocidade da embarcação que você escolher. Ela tem 73 km quadrados e está no imaginário de viajantes que sonham em explorar a Grécia. É lá que estão aquelas lindas casas branquinhas em um morro que são frequentemente fotografadas com um pôr do sol de tirar o fôlego. Santorini tem ruínas, praias, ruelas charmosas e vistas incríveis. Perdi a conta de quantas vezes fiquei abismado com tanta beleza.

Ok, ninguém vai pras ilhas gregas no inverno, mas eu fui. Essa viagem é fruto de um esforço colaborativo, em que minha prima/irmã impôs sua vontade de ir a uma ilha grega, mesmo que fosse frio e não passássemos perto das praias. Como não nunca entendi o prazer de queimar no sol feito um torresmo, essa parte não me importou muito. Na verdade, eu não sabia muito sobre as opções de turismo na Grécia além das coisas obvias do verão. Ao pesquisar, descobri que havia vida em Santorini no inverno (ainda que tímida), inclusive a Ryanair tinha voos para a ilha saindo de Atenas e haveria sim opções para turistas de passeios e atividades. Devo admitir que não é a melhor época, é frio, embora não sejam congelante, e o tempo não é nada previsível.

Ficamos três dias por lá, alugamos um carro e percorremos toda a ilha. No nosso caso, por estarmos viajando com duas crianças, o carro ajudou muito. Além disso, os ônibus, no inverno, são pouco frequentes. Como havia pouquíssima gente visitando, não havia trânsito, nem foi difícil estacionar. Eu fiquei pensando que no auge do verão a ilha deve ser um caos, já que suas estradas são estreitas e as vagas nas ruas escassas. O que complicou nossa vida foi o tempo, já que ventou e choveu muito, coisa comum nessa época do ano.

Uma das áreas mais comuns para se hospedar, Fira, a capital da ilha, concentra restaurantes e lojinhas, além de te dar uma vista incrível do oceano e da arquitetura peculiar da ilha. Lá tem um porto, de onde pegamos uma excursão de barco leva para uma ilhota formada por uma erupção vulcânica que tem fontes de águas termais. Nós compramos o passeio no hotel mesmo. Era preciso, obviamente, estar no porto na hora certa para pegar o barquinho. Mas choveu, choveu muito. Não acreditava que a excursão aconteceria debaixo de tanta água, mas, na dúvida, desci o desfiladeiro em Fira em direção ao porto. Com uma capa de chuva e um sapato permeável, tentei evitar rolar aquela ladeira íngreme, me humilhar logo no primeiro dia e ainda arruinar todo o resto da viagem com alguma parte do corpo quebrada.  Você não precisa de ir a pé, já que existe um cable car que faz o mesmo trajeto por 5 euros. O problema é que no inverno ele só sai a cada meia hora e quando chegamos lá ele estava fechado. Para minha surpresa, a excursão saiu, embora tenha sido encurtada e não tenhamos visitado as fontes termais. A ilha de formação vulcânica é bem interessante, não se parece com nada que havia visto antes. Além disso, de lá você tem uma vista linda de Santorini.

Em Santorini tem algumas vinícolas que podem ser visitadas. Nós fomos a que se chama Santo, mas por causa do tempo não estavam fazendo visita e só tinha degustação. Tem também um museu do vinho Koutsoyannopoulos que visitamos e é todo subterrâneo e mostra a história da fabricação da bebida na ilha. A visita foi interessante, mas só recomendo se você realmente se interessar pelo assunto. No final, tem uma degustação de 4 vinhos. Tem um doce que é bizarro. Parece que foi feito com rapadura. Tenho certeza que aumentei a chance de ter diabetes em pelo menos três vezes por causa dele. A entrada custou 9,5.

Da parte das belezas naturais, gostei mais da Amoudi Bay. Ela é uma baia que fica no extremo norte da ilha, abaixo de Oia, uma vila linda, também cheia de casas branquinhas no penhasco.  Lá fica lotado de pessoas desesperados por uma foto no pôr do sol e as coisas são caras, tantos os hotéis quanto os restaurantes. O mar de Amaudi Bay é de um verde lindo! No extremo sul da ilha, tem também a Red Beach, que é uma praia que tem umas rochas – e adivinhe  – e uma vista espetacular.

A hora de diminuir a ignorância histórica ficou por conta de duas atrações muito interessantes. O sítio arqueológico de Akritiri é uma área de escavações protegida por uma espécie de ginásio, em que podemos visitar as ruínas de uma cidade que foi destruída em 1627 antes de Cristo por uma erupção vulcânica. O sítio é muito bem organizado e com várias explicações. Deixa a gente meio encabulado vendo o nível de organização de povos muito antigos. Outro passeio muito bom é a cidade antiga de Thera. Esse sítio fica no topo de uma montanha, a 360m de altura, o que te dá também a oportunidade de ter uma vista maravilhosa (quase dá para cansar de tanta beleza). Subimos a montanha de carro e ao chegar no topo estava ventando muito, tanto que ninguém além de mim quis ir visitar. Na verdade, três de nós chegaram a entrar em Thera, mas dois desistiram e somente eu fui até o fim. Dessa forma tive o lugar topo para mim! Estava tão frio que nem mesmo a funcionária responsável por cobrar a entrada deu as caras. Eu cheguei a sentir muita dor no rosto. Quando saí fui carinhosamente informado por meu marido que havia quilos de meleca congelada no meu bigode. Meu rosto estava anestesiado e eu nem senti o melecão escorrendo. Quem nunca!?

Saí de Santorini querendo conhecer mais das ilhas gregas, de preferência quando o tempo estiver melhor. Achei muito interessante o fato de haver outras coisas para fazer além de ir à praia. Quando o verão se aproxima e outras ilhas ganham vida, é possível ir passando de ilha em ilha aproveitando o serviço frequente de ferry. Quem sabe um dia…

ps: para minha sorte, logo no primeiro dia minha câmera estragou. Tinha uma loja em Fira onde eu poderia ter comprado outra, mas preferi esperar chegar em Atenas para ver outras opções e por isso as fotos foram tiradas com celular e ficaram podres. Obrigado pela compreensão. De nada.

 

Dicas

  • Fira e Oia são os locais mais comuns para se hospedar e tem muitas opções de hotéis, restaurantes e lojas. Em ambas você tem ruelas lindas com casinhas brancas e aquela vista para o mar, pôr do sol e despenhadeiros de tirar o fôlego. No inverno, entretanto, pouquíssimas abrem. Se você quer ver gente, badalação, movimento, calor, etc nem pense em ir nessa época. De qualquer forma, não se limite a ficar nas áreas badaladas e praias, conheça também os sítios arqueológicos e vá também a vila chamada Pirgos. Ela é mais autêntica, com aquele jeito de interior e será excelente para relaxar um pouco.
  • Considere alugar um carro, mas veja como está o movimento na ilha porque poderá ser bem difícil de estacionar e você pode acabar passando muita raiva.
  • Em Fira tem uma birosquinha de lanches muito boa e barata chamada Obelix. Eles também entregam. Só tome cuidado porque o inglês deles é bem ruinzinho. Eu pedi 4 kebabes e vieram 8, até hoje estou digerindo os 4 que vieram a mais. Sem or!
  • Santorini no inverno não é para os fracos. Faz frio sim e o tempo pode estar bem fechado. Se possível, vá pouco antes do auge do verão para evitar a confusão maior e ter tempo bom.