Eu ouvi de uma pessoa aleatória que não era muito fácil viajar pela Índia. Depois de alguns meses ouvi a mesma coisa de uma mexicana que havia vindo pra cá há pouco tempo. Eu duvidei, como se esperaria de um geminiano metido a independente. Depois de aventuras durante toda a viagem por causa de um caos nos transportes do país, eu tive que concordar e repetir a mesma frase colocando uma dose exagerado dos meus dramas. Resumindo a história, as estradas péssimas, ônibus sujos e em más condições e os trens que atrasam até 12 horas dificultaram a viagem um pouco.

Embora tenha enfrentado perrengues, nada disso me impediu de amar a Índia. Ainda assim, eu acho muito importante que você venha com a mente e coração abertos. Ok, traga um calmante também. 

Ao planejar, focamos em dois estados: Rajastão, onde visitamos Udaipur (2 noites), Jodhpur (2 noites) e Jaisalmer (3 noites) e Uttar Pradesh, onde visitamos Agra (1 noite) e Varanasi (2 noites). Também teve a capital, Déli (5 noites), e minha favorita, a cidade Rishkesh (10 noites), ambas relativamente próximas dos outros locais citados.

india map

DESLOCAMENTOS

Delhi – Rishikesh: Avião até Dehradun e (1:30 min) táxi até Rishikesh.

Rishkesh – Delhi: 7 horas de ônibus

Delhi – Varanasi: Avião (1:30)

Varanasi – Agra: ônibus (13 horas)

Agra – Udaipur: trem (13 horas)

Udaipur – Jodhpur: taxi (10 horas, parando no forte Kumbhalghar e no templo Sheth Anandji Kalyanji)

Jodhpur – Jaisalmer: taxi (5 horas)

Jaisalmer – Delhi: trem (17 horas, sendo 5 de atraso)

AGORA OS BOs

Primeiro B.O. Chego no aeroporto de Déli. Fico horas na fila da imigração. Atraso para pegar um táxi que havia reservado para me levar para Rishikesh (para lá da para ir de avião, ônibus ou táxi). Pego minha mala. Não consigo me conectar a internet do aeroporto para tentar mandar mensagem no Whatsapp do motorista porque exigem um número indiano. Decido tentar achar o homem que deveria estar em outro terminal. Saio do meu terminal. Caminho até o ponto do ônibus do aeroporto. Descubro que o ônibus para o outro terminal é pago. Volto para trocar dinheiro. Descubro que não posso entrar novamente (só Deus sabe porque, mas na Índia você só entra no aeroporto se tiver passagem). Me ferro. O guarda fica com pena de mim e diz para eu deixar minhas malas lá com ele e me deixa entrar para trocar dinheiro. Desisto do taxi. Felizmente eu havia comprado uma passagem de avião para ir para Rishikesh e não cancelei. Fui de avião mesmo. 

Segundo B.O. Compro passagem de ônibus noturno Rishkesh para Delhi. Estou hospedado perto do que parece ser a rodoviária. Faço check out uma hora antes do bus. Não há táxi ou tuk tuk para me levar porque são 22 horas. Arrasto minha mala por 30 minutos até a rodoviária. Está escuro. Minha mala quebra a roda. Chego num ponto crítico onde há duas ruas para continuar. Tento a primeira. Um cão raivoso me expulsa. Tento não borrar a calça. Na outra rua também há um cachorro. Esse é bonzinho. Glória a Deus. Pego o bus. Uma menina está comendo Cheetos de queijo. Um homem vem até mim com a lanterna do cel ligada e olha se estou calçado. Ele vai de cadeira em cadeira tentando descobrir de quem é o chulé. Que dó.

Terceiro B.O. O plano era ir de Délhi para Varanasi de avião. Chego no aeroporto. Voo para Varanasi cancelado. Ninguém diz porque. A companhia não dá a mínima. Te coloca num voo no dia seguinte a noite. Não paga hotel para você. Depois de brigas e ameaças te colocam num voo de manhã. No dia seguinte seu voo atrasa três horas.

Quarto B.O. Você reservou um trem noturno de Varanasi para Agra. Alguém te diz que os trens costumam atrasar muito e te recomenda um app para monitorar o trem. O app diz que seu trem vai atrasar 10 horas. Você decide comprar um ônibus de última hora. Chego na agência de viagem. O homem diz que o ônibus que eu vi disponível online não existe. Vou para o hotel. O gerente liga para a empresa e o ônibus existe sim e tem vaga. Pego um taxi. A empresa parece não existir. Me perco. Tudo é caos. Ninguém fala inglês. Pego um tuk tuk que diz que sabe onde eles estão. Ele também se perde. Ele acha a empresa depois de muito perguntar. O ônibus tem um varal. No varal está dependurada a cueca do motorista. Silvino faz cara de quem quer ir embora do país. Exige que contratemos um motorista. Olho o preço. Dois mil e quinhento reais. Tchau motorista particular.

LIDANDO COM OS PERRENGUES

Para evitar tanta confusão, para distâncias de até 10 horas de viagem, é comum ver turistas que contratam um motorista/guia que fica com eles todo o tempo, levando-os nas atrações e também em outras cidades. Se você não quiser ou não puder pagar um motorista, saiba que somente o deslocamento de uma cidade para outra pode ser feito com um táxi, que deve custar algo entre 3000 e 5000 rúpias (Ex: Agra – Jaipur, Jaipur – Udaipur, Udaipur – Jodhpur, Jodhpur – Jaisalmer). Para distâncias mais longas, eu sugiro ver se há voos. Mande email para seu hotel e eles te darão mais informações. Possivelmente, eles poderão reservar o taxi para você. Quanto ao trem, não é fácil de reservar, mas não é impossível. Eu fiz todas as reservas no site oficial do governo (https://www.irctc.co.in/eticketing/loginHome.jsf). O trem, se não atrasar, é confortável e barato (escolha a passagem mais cara e faça sua reserva com meses de antecedência. Há poucas vagas nos vagões 1A ou 2A, que são mais confortáveis, embora super simples, e dá para dormir lindamente).

HOTÉIS

Quanto aos hotéis, ouvi muito drama do tipo: um 5 estrelas na Índia é como se fosse 4 em outros lugares do mundo. Um 4 estrelas, equivale à 3 e etc. Bobagem. Use o Tripadvisor para reservar lugares bem recomendados por outros viajantes e não espere algo pior só porque você vai para a Índia. 

AS PESSOAS

O povo indiano me pareceu simpático e curioso sobre os estrangeiros. Muitas vezes nos pararam na rua para conversar e eu confesso que achava que iam oferecer algum serviço. Na verdade, eles queriam praticar o inglês ou simplesmente te conhecer. É claro que há os golpes de sempre. Algo do tipo: “tem uma agência aqui perto, deixa eu te levar lá” ou “esse hotel não é bom, vou te levar para um melhor”. Enfim, acontece em muitos países asiáticos. Fique esperto.

QUANTO CUSTA?

A passagem pode ser cara, algo entre 3 e 5 mil reais. Os hotéis simples de 3 estrelas que são bem avaliados custaram em torno de 150 reais a noite. Os de 5 estrelas entre 450 e 600. Comidas em restaurantes simples, mas bons custavam algo em torno de 200 até 400 rúpias o prato principal (1 real = 18 rúpias – jan 2018). Táxis e metrôs também custam muito pouco. Gastamos menos que imaginávamos. Há algumas atrações caras (de 500 até 1000 rúpias), mas são poucas. Os templos são de graça.

DICAS

Compre um chip de internet, de preferência da Airtel. Custa algo em torno de 700 rúpias por 28 dias de 4g, sendo 1 giga por dia. Em geral, o chip demora 2 dias para ser ativado, mas tem umas mocadas que vendem chip que funciona imediatamente. Aparentemente, eles já estão ativados em nome de outra pessoa.

Olhe o status do seu trem no dia da partida. Você vai descobrir se ele atrasou e não vai precisar mofar horas na estação a toa. O app trainman é bom, mas recomendo checar também no site oficial do governo.

O app hipppocabs é bom para alguns deslocamentos entre cidades de táxi. Você faz a reserva e paga no cartão. Algumas horas antes eles te mandam email com os dados do motorista. Infelizmente, ele não tem muitas opções de trechos entre cidades.

Além do Uber, o app Ola é muito popular. Na verdade, o Ola é mais comum e funciona em cidades onde não há Uber. Acredite se puder. Geralmente, o motorista vai perto de onde você chamou o carro e fica parado. Daí você mesmo tem que ir procurando o carro.

Nas atrações turísticas pagas, há uma fila específica para estrangeiros, de forma que mesmo em locais muito cheios você não deve esperar muito, ou mesmo nada. Procure por essa fila. Seu ingresso será muito mais caro que o dos locais, mas não há alternativa, somente indianos pagam menos e sofrem nas filas (ou nas aglomerações que deveriam ser filas).

Eu cheguei a olhar o preço de um motorista por alguns dias. Embora não tenha contratado, indico a agência que olhei. Ela chama El Mundo Viaje a India. Ela foca no público que fala espanhol, o que pode ajudar os viajantes que não falam inglês. O contato do Chandra no whatsapp é +91 98686 04896. Ele foi uma indicação de uma conhecida, me deu dicas e foi muito solícito, mesmo eu não tenho contratado os serviços dele.