Varanasi é considerada a capital espiritual para os indianos. Por lá, passa o Rio Ganges e você vai encontrar vários acessos ao rio que são chamados de Ghats. Eles são 88 escadarias que levam os devotos para as águas sagradas do rio, onde eles se banham e realizam cerimônias. Em alguns deles há, inclusive, cremação de corpos. Esses foram os que mais me chamaram a atenção. Se na nossa cultura os funerais são, em geral, cerimônias mais privadas, em que participam parentes e amigos da pessoa que morreu e da família, as cerimônias que você vai presenciar em Varanasi acontecem a céu aberto e qualquer um pode ver e ficar bem próximo. Veja com cuidado. Repare os gestos que acontecem iguais todas as vezes, como se fosse uma coreografia. Tente não questionar muito, se puder.

Além das cerimônias de cremação, aqui acontecem vários Ganga Aartis. Elas são cerimônias de devoção ao rio que usam fogo e outros elementos, como arroz e flores, para serem ofertados. A maior celebração pode ser vista logo depois do pôr do sol, no Assi Ghat. Ela também é a mais cheia. Eu já havia participado de Aartis em Rishikesh e devo confessar que lá a cerimônia me tocou muito mais profundamente, provavelmente porque eu havia feito um retiro espiritual e estava mais sensível.

Quando eu planejei essa viagem, fiz questão de colocar Varanasi no roteiro. Porém, vir até aqui provou ser algo um pouco complicado. Fiz várias simulações para ver qual ordem de cidades seria mais lógica e Varanasi acabou complicando as coisas um pouco, porque ficava um pouco mais distante das outras cidades que visitaríamos. O problema é que transporte na Índia é uma aventura gigante!

Acabamos reservando um voo de Delhi para cá e depois um trem daqui até Agra. O nosso voo foi cancelado e a empresa Indigo não deu a mínima. Eles queriam colocar a gente no mesmo voo no dia seguinte, mas o problema é que já ficaríamos pouco na cidade e isso simplesmente mataria nossos planos. Com alguma habilidade de negociação e um pequeno show no aeroporto, consegui colocar a gente no primeiro voo do dia seguinte. O nosso voo ainda atrasou 3 horas por causa de uma neblina tensa que não deixava ver um palmo na frente. O legal disso tudo foi que o gerente do nosso hotel (Shree Ganesh Palace) reservado para Varanasi foi fofo, ficou com dó da gente e deu o táxi do aeroporto até lá (foi um trajeto de uma hora).

Na hora do B.O. no aeroporto, eu simplesmente entrei no tripadvisor no celular e reservei um hotel perto de lá. Não me toquei, mas deveria ter guardado o comprovante da passagem cancelada, da nova e do hotel, já que eu teria sido ressarcido pelo seguro viagem. Prazer, sou eu, uma ANTA.

Voltando ao que interessa, Varanasi é realmente uma experiência tão necessária quanto memorável. Aqui nós temos um demonstração da grandiosidade da Índia e da devoção que as pessoas podem ser capazes de expressar. Embora não seja minha memória mais afetiva da Índia, Varanasi será a mais intensa e genuína delas.

DICAS

  • Se seu voo for cancelado, não deixe a companhia simplesmente arrumar a melhor solução para eles. Informe-se sobre outros voos, inclusive de outras companhias, e exija tanto quanto possível que eles deem um jeito.

 

  • Você pode fazer um passeio de barco para ver alguns dos ghats e depois ver o Ganga Aarti (que é realizado na margem) de dentro do rio. A experiência é interessante, especialmente para ver as cerimônias de cremação e possivelmente contar com as explicações do condutor do barco. Entretanto, eu acho que ver o Aarti do lado dos devotos é muito mais emocionante. Você pode ver uma noite do barco e na seguinte junto das pessoas.

 

  • A cidade estava abarrotada de pessoas, quase todas indianas. Por todo lado, um aparente caos de gente, buzinas e animais. Tudo faz parte da experiência. Tente ir com calma e saiba que aqui não é nem deveria ser da forma que você gostaria.